CIRURGIA PLÁSTICA

OTOPLASTIA

A principal indicação para a cirurgia plástica das orelhas é a presença de orelhas proeminentes ou abanadas (muito afastadas da cabeça).

Pode ser realizada em crianças a partir de 6 anos de idade, quando se estabiliza o crescimento do pavilhão auricular.
Na consulta médica será feito o diagnóstico e exame físico e a solicitação de todos os exames pré-operatórios pertinentes.

A cirurgia começa pela marcação das incisões que são colocadas na região posterior das orelhas, acompanhando seu maior eixo, o longitudinal. Após as incisões, as cartilagens são manipuladas através de ressecção de pequenos fragmentos ou de pontos internos que reposicionarão as orelhas mais próximas da cabeça.

São realizadas as suturas em diversas camadas até a parte superficial da pele. Ao término da cirurgia, é realizado um curativo especial em capacete, que permanecerá por cerca de 48h.

Os pontos da pele são retirados após cerca de 10 a 14 dias da operação.

A anestesia pode ser local com sedação, ou geral.

O tempo médio da cirurgia é de 1 a 2 horas. O período de internação médio é 12 a 24 horas.
Recomendações pós-operatórias incluem:


Andar precocemente, desde o primeiro dia da cirurgia. As caminhadas devem ser curtas, em piso plano.

Dormir de barriga para cima por 4 semanas.

Não dormir sobre as orelhas operadas

Evitar exercícios físicos por cerca de 4 semanas

Evitar exposição direta ao sol por 2 a 3 meses

Evitar usar óculos por 8 semanas Usar os medicamentos, cremes e pomadas, malhas de compressão conforme a prescrição médica.

Comparecer as consultas de retorno para acompanhamento, remoção de pontos, conforme a determinação médica.


A área operada apresentará edemas ou inchaços e áreas arroxeadas na pele por períodos variáveis, mas em geral tênues após 3 meses.
A cicatriz da cirurgia para tratamento da orelha em abano é permanente (não desaparece) e leva cerca de 6 meses a 2 anos para amadurecer completamente. Seu aspecto depende de fatores genéticos individuais (pessoas com tendências a quelóides poderão ter cicatrizes mais avermelhadas ou largas) e dos cuidados pós-operatórios do paciente.



Dúvidas frequentes


É possível “colar” as orelhas na cabeça?

Alguns pacientes, pelo constrangimento do abano, têm essa dúvida. Embora seja possível deixar as orelhas muito próximas a cabeça, esse não é o objetivo da cirurgia. O que se busca é uma posição harmoniosa das orelhas em relação ao conjunto.


Existe risco do aspecto de abano voltar?

Sim, embora raro isso pode acontecer porque a cartilagem é um tecido com características especiais. Na criança, ela é mais maleável e moldável. No adulto, sobretudo a partir da terceira década, ela é mais rígida e por essa razão pode ceder no pós-operatório em períodos variáveis de tempo.